SBB

Onde estamos presentes!

Escola Bíblica Dominical - 1º Trimestre 2018 - Lição Nr 07

Canal Luísa Criativa

= Assista, curta, comente, inscreva-se e compartilhe. Atualização semanal.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Deixados Para Trás 3 - Filme Dublado

A MULHER DO PASTOR - Filme Completo (Dublado)

Eletromagnetísmo

O eletromagnetismo é a parte da Física que estuda a eletricidade e o magnetismo, bem como as relações estabelecidas entre eles.

O princípio de funcionamento de antena transmissora de sinais baseia-se nos conceitos do eletromagnetismoO princípio de funcionamento de antena transmissora de sinais baseia-se nos conceitos do eletromagnetismo.

Eletromagnetismo é a parte da Física que relaciona a eletricidade e o magnetismo. Essa teoria baseia-se nos seguintes princípios:
1. Cargas elétricas em movimento geram campo magnético;
2. Variação de fluxo magnético produz campo elétrico.
Durante muito tempo, acreditou-se que eletricidade e magnetismo eram o mesmo fenômeno. Foi somente em 1600 que o médico e físico inglês Gilbert escreveu um livro distinguindo as duas teorias. Apesar dessa diferenciação entre os dois fenômenos, havia fortes indícios de que existia alguma relação entre eles.
Qual é a relação entre Eletricidade e Magnetismo?
Essa relação foi descoberta pelo dinamarquês Hans Christian Oesterd em 1820, o que só foi possível graças à invenção dos geradores elétricos, que permitiam a geração de correntes elétricas duradouras e estáveis necessárias para o estudo dos fenômenos.
Oersted demonstrou a existência dessa interação a partir de um simples experimento. Ele colocou uma agulha magnética próxima a um condutor de eletricidade. Para isso, ele utilizou uma bússola e um fio de platina em um circuito. O fio de platina, ao ser percorrido pela corrente elétrica, ficava incandescente, o que garantia uma corrente suficientemente intensa. Quando o fio era aproximado da bússola, sua agulha magnética sofria deflexão.
Experimento de Oesterd
Experimento de Oesterd
experimento de Oersted mostrava que a corrente elétrica gerava campo magnético. Porém, em 1831, Michael Faraday, na Inglaterra, utilizou um núcleo de ferro e duas bobinas A e B para mostrar que a variação do fluxo magnético também gerava corrente elétrica. Faraday percebeu que, nos momentos em que conectava ou desconectava a bobina A na fonte, passava uma corrente elétrica na bobina B, mas essa corrente aparecia somente nesses instantes.
Experimento de Faraday
Experimento de Faraday
A partir dessa experiência, ele concluiu que essa corrente elétrica ocorria em virtude da variação do campo magnético, que aparecia quando a bobina A era ligada e desaparecia quando essa mesma bobina era desligada. Esse fenômeno ficou conhecido como indução magnética ou Lei de Faraday.
Os fenômenos eletromagnéticos foram descritos por um conjunto de leis formulado por James Clerck Maxwell, cientista que foi tão importante para o Eletromagnetismo como Isaac Newton foi para a Mecânica.
James C. Maxwell teve importância sem igual para os estudos sobre Eletromagnetismo
James C. Maxwell teve importância sem igual para os estudos sobre Eletromagnetismo
Vários aparelhos indispensáveis atualmente só existem em face da evolução nos estudos sobre o Eletromagnetismo. Entre eles, podemos citar: cartões magnéticos, transformadores de tensão, motores elétricos, antenas de transmissão de dados, forno micro-ondas, entre outros.
Fonte de referência, estudos e pesquisa: http://brasilescola.uol.com.br/fisica/eletromagnetismo.htm

Curta, comente e compartilhe este artigo, a sua participação é de extrema importância para o desenvolvimento deste site.

Visite também o nosso canal no Youtube.com, clicando no link abaixo:

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Jesus Cristo: 8 dúvidas que a Ciência já respondeu sobre o Messias - Parte 2

Confira 8 dúvidas que a Ciência já respondeu sobre Jesus Cristo:

1. Os autores dos Evangelhos conheceram Jesus Cristo?

Conforme os historiadores, nenhum dos evangelistas foram testemunhas oculares da vida de Jesus Cristo. Na verdade, esses textos são de autoria anônima e faziam parte de uma variedade de outros escritos que circulavam nos primeiros séculos depois de Cristo falando sobre o que as comunidades cristãs pensavam.
O que se sabe é que, com o passar dos séculos, a Igreja e o Império Romano resolveram filtrar os textos que realmente estariam de acordo com a memória da Jesus. Foi assim que, por volta do século IV, surgiu o Novo Testamento, depois de muitas disputas teológicas.
Os estudiosos defendem, no entanto, que o único que chegou a conviver com Jesus Cristo foi Paulo. Inclusive, eles afirmam que as encíclicas de Paulo foram escritas antes dos Evangelhos, mesmo estes estando à frente no Novo Testamento.
Aliás, para os pesquisadores entenderem melhor a evolução das primeiras comunidades cristãs é preciso que eles comecem a ler pelos textos de Paulo.

2. Como era a família de Jesus?

Em diversas passagens das Escrituras, a família de Jesus é citada como sendo Maria, José e seus irmãos e primos. Esses últimos membros, aliás, levantam muitas discussões, até mesmo porque contraria uma das principais crenças da igreja católica: a virgindade de Maria.
Mas, existem várias explicações para isso. Uma das mais aceitas é sobre um equívoco na tradução do texto, já que a concepção de família e de irmãos era diferente na época de Jesus e seus primos também poderia ser considerados irmãos.
Outros levantam a possibilidade de José ter tido filhos frutos de um casamento anterior à Maria. Logo, Jesus teria meio-irmãos, o que também não recebia esse nome diferenciado na época.
Já, sobre a participação da família de Jesus em seus feitos, é possível notar nos primeiros textos, mais necessariamente no Evangelho de Marcos, que seus parentes o consideravam meio louco. Mais para frente, no entanto, a família de Jesus se reaproxima dele, especialmente Maria, que passa a apoiá-lo em suas pregações.
É possível perceber também que ao longo de sua vida, Jesus Crista cria uma outra concepção de família: aquela formada por seus seguidores, os apóstolos.
Fonte: Veja

Estudo dividido em cinco partes. Continua na Parte 3.

Jesus Cristo: 8 dúvidas que a Ciência já respondeu sobre o Messias - Parte 1



Nem todo mundo acredita nos ensinamentos da Bíblia e muita gente chega a duvidar da existência de Deus, no entanto, a existência de um projeta chamado Jesus Cristo é algo que a ciência já comprovou.
O problema é que muita coisa sobre a vida do Messias se difere do que está relatado na Bíblia.
Segundo pesquisadores, nem mesmo o aniversários de Jesus Cristo, que comemoramos em 25 de dezembro, está correto, a data foi escolhida estrategicamente pela Igreja, para fazer frente à festa pagã que existia nessa época do ano.
Muitos outros detalhes da vida de Jesus Cristo também não parecem ter acontecido como as Escrituras tem nos contado por séculos.
O lugar como ele nasceu, sua relação com seus pais, a existência ou não de irmãos e seu suposto casamento com uma mulher são fatos que pesquisadores têm descoberto reais ao longo do tempo e que ainda chocam muita gente por revelar a humanidade do Messias.
Abaixo, como você vai ver, estão algumas dessas verdades reveladas pela Ciência. Muita coisa que você vai ler podem até mesmo parecer uma blasfêmia aos cristãos mais fervorosos, mas, lembre-se: nada disso é uma opinião desse site.
Todas as respostas que listamos são baseadas em estudos científicos que vêm sendo realizados ao longo dos séculos a respeito da existência de Jesus.
Fonte: Veja

Estudo dividido em cinco partes. Continua na Parte 2.

O Jumentinho Vaidoso

Jovens Gospel